Browsing Tag

liberdade

Lazer

O Bairro Liberdade!

Um dos pontos mais icônicos de São Paulo é a Liberdade, o bairro mais característico da cidade.

Entrando pelo metrô Liberdade a sensação que temos é a de verdadeiramente nos teletransportar para o Japão. Os edifícios, decoração, praças, lojas e pessoas. Tudo ali nos faz sentir num pedacinho da terra dos sushis e mangás.

Esse choque cultural aumenta ainda mais, quando adentramos aos domingos, quando ocorre semanalmente a feirinha de rua.

Barracas para todos os lados espalhados pela pracinha, pessoas andando para todas as direções, um empurra-empurra que a princípio assusta, porém, que aos poucos você se sente parte daquilo.

Os cheiros das diferentes comidas te fazem esquecer dos problemas e só te fazem lembrar o porquê de estar ali – a chance de comer o melhor yakisoba japonês em terras tupiniquins.

Após a barraca escolhida, fila enfrentada e o pratinho de isopor em mãos, com o yakisoba quentinho e com muito shoyu, é hora de escolher um canto, uma mureta ali na avenida da Liberdade, logo ao lado, sentar e comer enquanto observa a movimentação de centenas de pessoas, comendo, rindo e curtindo o clima japonês.

Yakisoba saboreado com sucesso!

Próxima parada? Os corredores de lojas escondidas dentro dos prédios, cheio de coisas do Japão.

Eu como um nerd, piro ao ver bonecos do Pikachu, jaquetas do Goku e jogos do Mário. Obviamente isso é apenas um pequeno exemplo da grande variedade de coisas que podemos achar entre os corredores apertados das lojinhas.

Cuidado para não se deixar perder o controle, pois a chance de você sair de lá falido é enorme!

Em dias normais em que você não pode curtir a comida das barraquinhas, há a opção de diversos restaurantes. Desde opções mais tradicionais como mercadinhos, restaurantes e bares a franquias estabelecidas como o Sukiah que serve um excelente karaguê ou o McDonald’s que não perdeu a oportunidade e se fantasiou de casa tradicional japonesa.

No passeio entre corredores apertados e ruas movimentadas, o dia se vai e você nem percebe. A sensação é de tristeza ao ter que voltar ao metrô e deixar esse pedacinho da terra do Sol nascente em plena São Paulo para trás.